Boletins

  • Cadastre-se e receba nossas novidades:
  • Notícias
  • Subsídios pedagógicos
  • Eventos
  • Associado

Espaço Pedagógico

Nossa Colcha da Convivência: por um mundo diferente!

Terça-feira, 2 de agosto de 2016 - 21h09min

<br>Fonte: Josiane Crusaro Simoni

Local: Escola Municipal Santa Terezinha, Faxinal dos Guedes/SC.

Disciplina: Ensino Religioso

Série: 7º ano

Temática: Diversidade Cultural e Coexistência

 

A diversidade cultural (etnias, religiões, costumes, ideias, sistemas políticos e sociais) está presente nos diferentes tempos, espaços e lugares, demonstrando que tais diferenças resultam num planeta multicores o que é impossível expressar a grandiosidade de variedades que o compõe.

Porém, ao mesmo tempo em que a diversidade caracteriza-se como um mosaico pluricultural, surgem os conflitos, exclusão, (pré)conceitos, intolerância e violência devido a não aceitação ao outro e sua forma de ser e viver, dai tem se tornado muito comum em nossa sociedade vermos, ouvirmos e convivermos com práticas que violam os direitos humanos.

E acreditamos que embora a família tenha um papel essencial na formação da identidade no ser humano, a Escola enquanto instituição social voltada à construção do conhecimento e aprendizagem caracteriza-se como lócus primordial para o diálogo e socialização sobre a necessidade da convivência na diversidade.

Nessa perspectiva entra em cena o Ensino Religioso como componente curricular que tem por objeto de estudo o fenômeno religioso, isto é, aquilo que se manifesta, se mostra ou revela na experiência do ser humano. Mais do que uma área do conhecimento, a disciplina tende a mostrar a relevante necessidade do respeito, do diálogo e alteridade como atitudes vitais para a (con)vivência em sociedade.

Assim, pensando em práticas voltadas a um mundo melhor, após estudos, debates e reflexão sobre a Coexistência, isto é, a convivência na diversidade, os estudantes das 7ª séries da Escola Municipal Santa Terezinha, Faxinal dos Guedes/SC, foram provocados a repensar suas atitudes cotidianas e ilustrar em TNT imagens e palavras que dão significado a um planeta diferente, onde o outro é acolhido na sua diversidade e aceito como é.

Durante três encontros presenciais ao som de botões, lantejoulas e agulhas fiando, os estudantes foram registrando no tecido representações que possuem um significado além para uma boa convivência. Ao final, costurados os tecidos um a um, formamos uma linda colcha a qual denominamos Nossa Colcha da Convivência: por um Mundo Diferente!

O objetivo geral da atividade proposta caracterizou-se em compreendermos a importância do Eu, do Outro e da Convivência, bem como percebermos/entendermos que é a partir da socialização e interação que práticas de violência e intolerância são extirpadas das nossas relações sociais. Também a atividade propiciou o entrosamento dos estudantes com a turma, porque foi um momento oportuno para a troca de ideias, experiências, informações e materiais para a realização da tarefa.

Foi uma etapa muito importante na vida dos estudantes, porque proporcionou uma riqueza de conhecimentos/aprendizados, sendo que o desenvolvimento da atividade foi marcada pela presença contagiante dos estudantes, ajuda mutua (materiais e costura) e muita alegria contando com aproximadamente 60 estudantes.

Ao término da atividade proposta, elencamos muitas conquistas. Primeiramente um novo olhar sobre o componente Ensino Religioso visto não mais como um ensino proselitista/catequista e sim como valorização da pluralidade cultural religiosa de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 (Com nova redação do Artigo 33 pela Lei nº 9475/97). Também nossa Colcha percorreu muitos caminhos como exposição em Feira Cultural e foi utilizada como cômodo para os estudantes ouvirem estórias ao embalo de sons musicais.

A avaliação aqui considerada como um processo contínuo, investigativo e processual, que tende a contribuir na formação cidadã, caracterizou-se pelo diálogo, interação com o grupo, trocas de ideias/experiências/informações e envolvimento na atividade.

<br>Fonte: Josiane Crusaro Simoni<br>Fonte: Josiane Crusaro Simoni

Fonte: Josiane Crusaro Simoni

voltar
encaminhe
comente
imprima