Boletins

  • Cadastre-se e receba nossas novidades:
  • Notícias
  • Subsídios pedagógicos
  • Eventos
  • Associado

Notícias

Religiões e Identidades: Contributo ou obstáculo para a Igualdade de Género?

Quinta-feira, 8 de março de 2018 - 20h10min

"A Igualdade de Género não é a dissolução das características do género", defendeu o pastor protestante José Brissos-Lino, diretor do mestrado em Ciência das Religiões da Universidade Lusófona. Brissos-Lino reconhece que o "cristianismo sempre teve dificuldade em lidar com a sexualidade e, portanto, com a mulher", mas que "a teologia cristã não permite a discriminação de género". Em S. Paulo "não há macho nem fêmea" para Deus e nos primeiros tempos havia mulheres a liderar comunidades cristãs. 

A Igualdade de Género é um dado "nos evangelhos e na vida de Jesus", acrescentou o padre jesuíta José Maria Brito. Sobre o acesso da mulher ao sacerdócio na Igreja católica, considerou que "o debate tem sido feito mais pela dimensão do poder", quando o sacerdócio é, "a exemplo de Jesus", um serviço de responsabilidade transversal.  O padre jesuíta e diretor do site Ponto SJ acredita que pode não estar longe a existência de diaconisas na Igreja, mas o eventual acesso da mulher ao sacerdócio, "a acontecer, não será na nossa geração". 

A perspetiva dos textos islâmicos sobre a mulher foi apresentada por Filomena Barros. A professora de história do Islão e da Linha de Investigação em Género e Religião da Lusófona, lembra que os textos sagrados "devem ser colocados no contexto de quem os escreveu" e há que diferenciar as leituras sagradas, "necessariamente sujeitas à exegese", das construções social, cultural e politicamente desenvolvidas a partir delas. 

O que se verifica é muito diferente deste exercício exegético, embora "a realidade islâmica seja muito diferenciada". Há países de maioria islâmica que têm ou tiveram mulheres como chefes de estado. No contexto do tempo, e em relação ao judaísmo, exemplifica a historiadora, o "Alcorão é um passo em frente na dignificaçao da mulher, tem uma Sura dedicada às mulheres, outra a Maria, e usa nalgumas partes o masculino e o feminino - «os» muçulmanos e «as» muçulmanas". 

As mulheres tinham um papel relevante no início do Islão, mas mantiveram um obstáculo: "o conceito de pureza e impureza", agregado ao sangue. A mulher carrega ainda este estigma e a religião mantém os rituais de purificação como elemento diferenciador e/ou segregador. 

Num testemunho pessoal, Saroj Parshotam admitiu que a mulher ainda transporta estigmas também entre hindus e recordou que, quando nasceu, houve gente na família que lamentou ser uma mulher. Esta situação é mais cultural e de organização social que religiosa, apesar de alguns textos que constituem as narrativas sagradas do sanatma dharma aparentem substimar a mulher. "No tempo dos Vedas havia igualdade entre homens e mulheres", diz Saroj. Embora possa cultural e socialmente não parecer, "os hindus respeitam muito o papel da mulher na comunidade", destacando-se sobretudo "o papel da mãe, a sabedoria da mãe que domina a família hindu e é respeitada acima de todos". Há na tradição mitológica e filosófica hindu uma dimensão feminina sem a qual não se compreende a própria vida. É a shakti, a "força" ou "energia" que dá operacionalidade à existência e ganhou forma de divindade feminina. 

O debate sobre Igualdade de Género "não foi trazido à praça pública pelas religiões, mas como oposição ao pensamento religioso", acrescentou Filomena Barros. José Brissos-Lino admitiu que o "cristianismo tem sido um obstáculo, mas a fé cristã é um contributo para a Igualdade de Género". O padre José Maria Brito defendeu a perspetiva católica, segundo a qual o debate é difícil quando o conceito de Igualdade deriva para a Ideologia da indiferenciação sexual, porque homem e mulher, "na perspectiva bíblica, são criaturas de Deus" em complementaridade. "O que sou não é tudo inventado por mim", concluiu. 

Já depois do debate, o moderador Joaquim Franco, investigador em Ciência das Religiões e coordenador do Observatório para a Liberdade Religiosa, verificou que, "em contexto religioso, nomeadamente o católico, confunde-se por vezes Igualdade de Género com Ideologia de Género e, rejeitando esta, que é ainda um campo indefinido e culturalmente complexo, há quem persista em velhos argumentos para dificultar o caminho da igualdade, que passa pelo direito à igualdade nos acessos". 

Embora seja um desafio às religiões, "que devem repensar e reconsiderar o papel da mulher para garantir a dignidade em igualdade",

defendeu Joaquim Franco, "os grandes problemas no campo da Igualdade de Género não se localizam hoje nas religiões, que podem até ser aliadas neste processo", sublinhou a historiadora Filomena Barros, lembrando, a propósito, que "a crescente violência doméstica não é um problema religioso" e pode até ser combatida com a ajuda das religiões. Num comentário final ao debate, a Conselheira para a Igualdade na Amadora defendeu que a "raiz do problema não está nas religiões, mas na forma como homens e mulheres se organizam e relacionam para o exercício do poder". Lurdes Ferreira recordou ainda assim que "tem sido a «luta» das mulheres a contribuir para a mudança também nas vivências religiosas".  Este foi o segundo de um ciclo de debates a realizar mensalmente na Amadora, no âmbito d'O Mundo na Amadora - Religiões e Culturas em Debate, um projeto de parceria entre a Câmara Municipal da Amadora e a Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona. 

O próximo debate realiza-se a 4 de abril, sob o tema Religião e Política: uma relação (im)possível?, com a participação de políticos(as) e religiosos(as). 

Fonte: Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona

voltar
encaminhe
comente
imprima