ESPERANÇA

Quem poderia imaginar que praticamente todos os povos da terra estariam involuntariamente irmanados por um vírus ou no combate a um vírus? Salvo engano, entre as vozes com grande audiência no nosso tempo, somente Bill Gates fez esta advertência. Além dele, os historiadores que dedicam-se ao estudo das pestes sempre afirmam a ciclicidade das mesmas. Elas vão, mas elas voltam… Ou seja, mais uma vez nos faltou dar ouvidos à História!

TRISTEZA

Caetano Veloso, na canção Língua, destacou que só é possível filosofar em alemão. Desejo ressaltar, ao contrário, que é possível sofrer em qualquer língua, pois o sofrimento é inato à condição humana. Ele faz parte da nossa psique! O cair e o levantar-se estão em nós. A pandemia do coronavírus intensificou esta condicionante humana a níveis da globalização. Entretanto, é possível ver que há, pelo menos, duas formas de reagir ao disciplinamento de isolamento social que o momento exige.

ÁSIA

Precisamos procurar entender o motivo da diferenciação do relativo sucesso que os asiáticos, bem mais dóceis ao confinamento, estão tendo sobre os ocidentais no combate ao quadro social pandêmico. Atribuo a diferença a uma distinção cultural nas formas das espiritualidades. Enquanto o Rabi Jesus nos legou a noção de que a vontade de Deus pode ou não ser seguida pela Liberdade do homem, as grandes cosmogonias asiáticas incluem uma outra sabedoria. Lá, existe um destino traçado que normalmente nós denominamos por aqui de karma. Isso acaba refletindo-se na maior aceitação social pública da autoridade do Estado e na aceitação com naturalidade de castas economicamente superiores em função do puro e simples nascimento.

OCIDENTE

Do livre arbítrio admitido pelo Mestre, o Ocidente brotou germinado por cosmogonias que se lançam na história e problematizam o mundo vivido aqui e agora. O ocidental sente-se mais “livre” e com amplo direito à crítica. A chamada opinião pública pesa tremendamente nas relações políticas neste lado do planeta. As principais nações são democracias e seus políticos querem agradar. Basta ver a recente liberação feita pelo governo britânico para o ir e vir até sem máscara. Vai durar até que retorne o vírus na próxima onda… Parece existir um duro preço a pagar pelo exercício mais intenso do livre arbítrio.

DESTINO OU HISTÓRIA

Avalio que a consequência histórica do uso pouco responsável da noção de liberdade vai custar caro para os ocidentais nas próximas décadas. As nossos condições sanitárias estão se enfraquecendo. Ao mesmo tempo, uma potência asiática chamada China está em plena ascensão com baixos níveis de mortalidade e infecção pela pandemia. Para as correntes da história das religiões que levam em conta o fenômeno religioso, que é o nosso caso aqui, esta sincronicidade de fatores nos mostra o quanto é indispensável compreender a imbricação entre espiritualidades, dominações sociais e história. Nos próximos anos, quem não compreender a Diversidade Religiosa, não vai compreender o mundo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *