Esta semana, tive a honra de entrevistar o padre e político Luiz Couto no Instagram (@cavalcanti.carlosandre). A entrevista ocorreu dentro do tema desta coluna de hoje: o esperançar. Notem que é a inflexão verbal do substantivo Esperança. O verbo esperançar foi amplamente difundido no Brasil pelo arcebispo de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara. Este verbo nos fala da realização da Promessa contida nas escrituras consideradas sagradas pela maior parte do mundo ocidental.

DIVERSIDADE

Logo de início, Luiz Couto nos brindou com várias citações de trechos escritos provenientes das mais diversas religiões no sentido de aceitar a existência de outras formas de crer. Ou seja, a melhor esperança está na aceitação do outro com suas diferenças e singularidades em relação a mim ou a nós. Penso que o ex-deputado Federal por quatro legislaturas na Paraíba, quis demonstrar que o caminho da Esperança é, ele próprio, a Promessa. E ele citou exemplos de diálogos com pessoas que o procuram em desespero… “O o caminho se faz caminhando.”

CUIDADO

O tema crucial do Cuidado Espiritual foi tratado com muita pertinência em nosso diálogo no Instagram. Luiz lembrou trechos do próprio Rabi Jesus ao cuidar do próximo. Para este tempo ainda pandêmico que estamos vivendo, as palavras do experiente pároco foram e são uma forma de esperançar por Um mundo melhor que este. Direcionamos tais palavras principalmente para a juventude. Um jovem desesperançado é um exemplo muito significativo da necessidade de políticas públicas de Cuidado Espiritual.

NAS REDES SOCIAIS

A oportunidade de encontrar com Luiz Couto em meu Instagram, me fez observar a importância de olhar para as redes sociais como instrumento de cuidado. Se pelo menos uma pessoa das muitas que passaram pela Live estiver de coração mais aberto tu por causa do que escutou, eu consideraria uma grande vitória. As redes sociais são costumeiramente vistas como um lugar de superficialidade e de assuntos e gestos brincalhões ou mesmo agressivos. Em si, porém, as redes são apenas um conjunto de tecnologias que o homem pode usar com livre arbítrio…

REESPERANÇAR

Como retomar a esperança daqueles que foram vítimas da Intolerância Religiosa? O encontro também debateu sobre aqueles que estão desesperançados em função do crescimento de um  certo Fundamentalismo Religioso que se auto intitula como Cristão e que persegue, principalmente, as religiões afro-brasileiras dos orixás e a cosmovisão indígena dos povos originários. O caminho do respeito republicano e laico e da obrigação da República de defender a liberdade religiosa garantindo a diversidade, parece ser um consenso entre os cidadãos democratas do país. Luiz Couto reafirmou esta postura civilizada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.